Enjoy up to 55% Off! Code: JOLLY Ends: 12/5 Details
Apply
  1. Help

Petalas da Alma

Hello, you either have JavaScript turned off or an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.

Petalas da Alma - Page Text Content

S: Petalas D'Alma - Solange Bretas

FC: Petalas D'Alma Solange Bretas

1: Pétalas D'Alma Poesias, sao pétalas que se desprendem de minha alma poeta! Solange Bretas

2: Ao que desabrocha minha alma e dela caem pétalas de poesias, dedico este bouquet a Deus que me fez capaz de florescer este dom, Aos meus filhos amados, Guilherme e Cinthia, partes de minha essencia a qual nao teria sentido se nao existissem em minha vida A minha mae, que com seu exemplo de coragem e amor me fez ser a mulher que sou e ao meu pai, hoje no céu, por ter sido sobre tudo, meu formador por isso o homem mais importante na minha vida. Aos amigos, que regaram cada pétala de minha alma, com seus afagos em palavras incentivadoras. E a voce, que neste momento se dedica a colher minhas pétalas

3: A autora Solange Bretas de Castro Fernandes é nascida aos 5 de setembro de 1964 na cidade de Sao Gonalo, Rio de Janeiro. É professoara e tem verdadeira paixao pelo magistério. Reside ainda em SG, onde casou-se e se tornou mae de um casal de filhos. Descobriu o dom de poetar ao qual chama de Ptalas D'Alma.

4: Neste bouquet literário, terás contato com estilos diferenciados de textos. Serao eles: poemas, poetrix, haikai, indriso e soneto. - Assim deixo cair minhas pétalas para que ao caminhar, deixe suas pegadas e leve consigo parte de minha essencia. Solange Bretas -

5: Poetrix Solange Bretas

6: Poetrix é um novo caminho a percorrer no universo da moderna Poesia. Esta nova forma poética, nascida e batizada em Salvador da Bahia/Brasil, fruto da criatividade de Goulart Gomes. A palavra poetrix (neologismo criado a partir de Poe poesia e Trix, tres) Cada poetrix possuindo temática livre, ritmo e um título, na sua aparente pequenez, em tres simples versos, com o máximo de 30 sílabas métricas, no seu conjunto O número de sílabas do título é livre, pode abrigar ou despertar muitos percursos, interpretaes, sentimentos e emocoes nos seus leitores

7: Único Desejo ...No pensou, mas foi o que bastou Sangrou a alma!/

8: Passaram as Estacoes... ...Quando sentiu os espinhos, descobriu a flor. Já era inverno.

9: Em minhas maos... ... aprisiono o tempo darei corda... o verei na forca.

10: Te Esperei... ... Vestida de primavera As flores eram testemunhas. Mas se foram as estacoes.

11: Eu Juro... ...Tentei semear no vento a essencia do nosso amor. Entao, vieram os pássaros.

12: Folhas Caem... ...Ah! Essas folhas que caem... Prenúncio do outono de minh'alma Saudade frutificando.

13: Imprescindível... ...No carnaval a fantasia se fantasia, uma poesia. E a vida, ilusao ou fantasia?

14: Que pena... ...Mao que afaga o corcocao nao embala só esmola.

15: Em detrimento... ...De algumas acoes paga-se a pena, excedi no amor.

16: Amplexos... ...Sao labirntos refúgio secreto... Meu castelo em seu peito.

17: HaiKai Solange Bretas

18: Haicai é um poema de origem japonesa, que chegou ao Brasil no início do século 20 e hoje conta com muitos praticantes e estudiosos brasileiros. No Japao, e na maioria dos países do mundo, é conhecido como haiku. Consiste em 17 sílabas japonesas, divididas em tres versos de 5, 7 e 5 sílabas Contém alguma referncia natureza (diferente da natureza humana) Refere-se a um evento particular (ou seja, nao é uma generalizacao) Apresenta tal evento como "acontecendo agora", e no no passado. Nestas páginas, tentaremos definir o haicai escrito em portugus.

19: Haikai 1 Lentamente desce acariciando a folha suave orvalho

20: Haikai 2 Abelha beija o pólem se desprende sexo na flor.

21: Haikai 3 Um gomo floral desabrocha no jardim bela florada.

22: Haikai 4 Florinha mimosa entre arbusto nasce. Forca da vida!

23: Haikai 5 Belo florescer beija flor a usufrutuar. Festa no jardim!

24: Haikai 6 Amanhece o dia pássaros cantam ao sol. Exuberancia natural

25: Indriso Solange Bretas

26: Poema criado pelo poeta espanhol Isidro Iturat, que atualmente reside em S Paulo (Brasil). Este é um poema formado do soneto. O poema é composto por 2 tercetos e dois monósticos (estrofes de um verso). Admite qualquer tipo de rima e de métrica e versos brancos e soltos e qualquer número de sílabas.

27: Baile de Máscaras Mascarando sentimentos disfarando emocoes ocultando desejos... Bailado de máscaras e corpos Fantasmas se soltam sorrisos ecoam ... Diante do espelho se flagram Caem as máscaras ...

28: Volta Ao Pó Fragmentos de versos correm por entre os dedos sem palavras, sem prosa. Perdem-se no tempo. Apagados na história pertencem ao vento. Levam da alma a essencia. Fez-se pó, poeta e poesia!

29: Diário Da Lua Em palavras registrarei minha doce agonia De olhar-te com ternura ao despontar To distante no horizonte ao amanhecer Em todos os instantes de minhas fases Sonhei-te ao beijar-me suavemente a face Com um único raio de amor a iluminar mnh’alma. Mas da janela do céu distante que nasci Vejo-te somente no horizonte a derreter-se por fim.

30: Redencao Deixo transbordar o sentimento abro as comportas que represavam solidao minha alma no conseguiu conter-se e desfez-se Num misto de dor e amor que feria e soprava entregue ao esquecimento sem tempo pra mim num incontido solucar fui de encontro ao mar. Sucumbi diante das insensíveis ondas vazias Fiz da saudade meu porto de redencao.

31: Abandono Na liberdade dessa manha, me entrego ao abandono. Deixei-me assim por voce! Minha esperanca palpita, o sol lá fora nem brilha, o tempo é algoz de nós. Abandonando-me em voce Nas lembrancas do que fomos.

32: Lencoes Testemunha de um grande amor, cobriu a nudez que transcendeu o leito e em sua brancura tatuamos o prazer. Sob ele misturávamos os sabores em momentos de pleno extase segregava de nós o mundo. Hoje se faz de saudades amassado está aos pés da cama.

33: Soneto Solange Bretas

34: Quimera Olhos fechados vivo a quimera Tenho-te to perto embora distante A pele arrepia seu toque quisera Desejo insano de coracao amante Minha boca água em pensar teu gosto Possuir seus beijos viver a loucura Sentir teu cheiro teu corpo disposto Remédio pra insanidade, cura Se for paixao ou quem sabe loucura O desejo que arde invade minh'alma Que se cumpra um dia meu destino Viver de sonhos seria amargura Enquanto espero, sonhar me acalma Realizar-se-á um dia o sonho divino.

35: Vicissitude Anseio por despir-me desse mundo No desejo do tempo uma espera Lá fora, o dia suspira profundo A noite no será mais de quimera. Os sons da tempestade ecoam lá fora Seu canto em meu peito retine lamento A vontade de partir qual nuvem me devora Vibra em minh'alma o grito rouco do vento. No olhar, quero o esplendor da chama ardente para iluminar minhas noites carentes de lua Viajarei sem rumo feito estrela cadente No caminho plantarei sementes de utopia Meus pés sangrarao ao calcar pedras cruas Será o preco a pagar por cometer tal ousadia.

36: Ser Feliz Ansioso querer até prudente Quem na vida consegue. Muitas vezes esconde que sente E sorrindo seu caminho segue Nao é to fácil quanto se pensa Cultivar a sonhada felicidade Ela chega de forma intensa Parte deixando apenas saudade Nao é pássaro de um só ninho Voa no horizonte fazendo verao É água pura que move moinho Fonte profusa a transbordar Brota na alma embriaga o coracao Ser feliz é algo a conquistar.

37: Poesias

38: Gozo Pleno Exorcizo meus versos, rompendo a voz do silencio no desequilíbrio dessas linhas onde mal caminho e traco o horizonte. Quem sabe a metáfora desse desabafo grite ao vento palavras amenas. Mas há guerras intensas nas pautas do meu destino que clamam por extase. Permanece no grito rouco que retine no amago da alma sentida que deseja, como vulcao a vomitar mágoas, explodir num gozo pleno de libertacao.

39: Distracao... ...Me olho com teus olhos me vejo abstrata, com tracos desformes, nada mais que sombras com pouco sentido ou sentido algum. Toda cor que um dia iluminou, agora se retorce num horizonte pálido. Me vi imagem sem sentimento pendurada numa parede manchada. A leitura que faco de mim , melhor fechar os olhos, melhor nem poetar...

40: Ao Encontro do Sol Vou ao encontro do sol. No temerei queimar as asas nem fenecer com seu calor. Desfrutarei dele o ardor que invadirá o coracao. Juntaremos fogo e paixao nao ouviremos a razao. Vou ao encontro do sol que inebria meu olhar faz tremer o horizonte leva-me a beber do mar. Ele será meu dia ainda que de noite nao mais haverá sombras nem o frio da estacao, o tempo nao existirá. vou ao encontro do sol seremos só nós dois a brilhar, qual constelacao nosso amor será.

41: Minha Escritura Deixarei minha essencia nas folhas que o tempo haverá de guardar. Nao será possível aos olhos comuns entende-la tao pouco qualquer voz interpretá-la, pois serao invisíveis a razao. As páginas desse eterno livro que escrevo serao manchadas pelo sereno da vida que minhas tremulas maos há estacoes esteve a colher em noites de solidao. Minha escritura será entregue ao universo onde habita os sentimentos e, se por ventura tudo vier por acabar, pedirei ao sol que a torne em cinzas e que a lua a espalhe sobre os restos desse mundo de ilusao.

42: Águas... O rio tem de correr para o mar, ansiosamente misturar-se penetrando em suas vagas Ambos provam-se em extase, levatam-se em ondas de pleno prazer. Rio e mar, um oceano de seducao provoca na sereia,o feitio, o canto, atraindo a lua dos navegantes para dentro se suas marés, delirando faminto, engole as embracos e as eternizam no fundo de sua alma pirata.

43: Mortificacao Anseio por gritar meu silencio e emudecer esse amor absurdo que finge no ver meus sinais. Talvez retroceder no tempo e cortar na raiz esse sentimento vital ao que nocivo se tornou. Faltam pegadas nesse caminhar, e de rastejar já morri nesse lamento. Quero ser folha livre no vento esquecer de mim por um tempo, até que ao pó, esse sentir possa voltar.

44: Apenas Amo De todas as loucuras, sentir esse amor sem medidas e medos, me leva além do que sou ou posso ser... Te-lo já é esperanca que alimenta meu sonho. E assim por desejá-lo tanto, quase me perco, voo, vago... Ouso tocá-lo de leve com os dedos de meu pensar e, sutilmente, me ponho a beijá-lo com os lábios de minha alma apaixonada e atrevida. Quando sem perceber me pego assim a admirá-lo, esqueco quem sou e apenas Amo...

45: Minha Loucura Ainda que seja loucura amar sem ser amada, tento conter por dentro o sentimento que se derrama por no caber mais no peito. Sofre minh'alma nua e padece meu corpo aos acoites do desejo de ser tua. É uma chaga que no tem cura essa tal saudade tua que um dia se chamou felicidade.

46: Delírios Te Sinto! Como um vento... Um sopro, alento! Vem longe... No horizonte de um olhar cabe na janela do acreditar, que um sopro do vento é alento de seus lábios o amor a sussurrar. Descortinando meu sonhar, minh'alma estremece de tua brisa querendo provar.

47: Essencia No sou bem ou mal me quer. Há apenas um querer pulsante nesse coracao vadio que espera das madrugadas um orvalho ameno. No guardo pétalas entre as folhas que voam alma a fora... Procuro na brisa solene, embalar meu pensamento e esvaziar o lamento que faz meu olhar se perder nas veredas do destino. No sou bem e nem mal me quer. Sou só essencia de um querer que se foi sem nem mesmo partir.

48: Apenas Mulher No horizonte a imagem se faz, mas o olhar perdido se vai ao encontro do arrebol. Sou asas que pensam voar além dos mundos, arco íris e sol. Viajo com as velas levando embarcacoes, naufrago nas marés que devoram meu pensar. Nao me vejo as margens do rio, mas sinto suas águas a lapidar meu caminho que, em cascatas, murmuram meu destino. as vezes no sei quem sou e temo pelo porvir em segredo, mas quando me sinto lua nessa plenitude me vejo apenas mulher.

49: Sonho Apenas Quisera sonhar poesia, me vestir de sua doce melodia, beber de seu vício embriagador. Pudera ser verso ao avesso da melancolia desigual a dor. Meus sonhos sao águas que rolam margeando solidao, sem encontro, sem mar... Sonho contos sem fim, sem céu, sem luar... Sonho sem estrelas a contar tendo apenas linhas gravadas e na palma de um adeus sem horizonte, sem sol , sem saber amar. Sonho apenas a sonhar.

50: Onde Jaz o Amor Abandonada no silencio que retine dentro da alma, dessa prisao esquecida que em meu corpo segrega. Lanco-me nas rochas da fria solidao e sepulto as dores que meu coracao já no consegue controlar. Deixo flores nas cicatrizes onde jaz um amor que ressuscita todos os dias.

51: Minha Composicao Ah! Essa loucura de escalar-te melodia de provar-te o sabor doce sintonia, que penetras em meu corpo, música que em acordes estremece minh'alma. Em teus marfins dedilhar notal em bemol, causando-te suspiram harpejantes. Quisera insanamente afinar-te e no tom produzir-te gemidos, ao sentir-te qual ébano em sustenido. Nesse extase melodioso compor-te partitura nela impor o ritmo em harmonia vida, tocar-te. No repouso consono de alma pura, dancar-te.

52: Quem Sou Sou teu porto inseguro onde tu enlacas desejos e te amarras em sonhos impreteríveis de sonhar. Sou o que te acolhes em perigoso cais de tentacaes, nao te esquivas pois o medo te excita e meu farol te atrai. Sou a calmaria de teu navegar, assim tu ousas em naufragar-te desvendando mistérios por desejar-me. Sou a cancao dos ventos que te toca aos sentidos causo feitio e já és meu. Sou porto teu, amado de felicidade, preciso-te aqui.Se tu vais, vou ao horizonte buscar-te. Se me levastu ficas a amar-me-te.

53: Caminhando Só De repente me vi só, tive medo de olhar para trás, agarrei-me com as lembranas, apaguei meus passos segui como folha seca que o vento leva sem destino. Ainda me vejo só sem saber como chegar sem ter ao certo onde ir agarrei-me aos pensamentos tentei enxergar a razao mas os galhos secos tiraram minha visao E me sinto só penso em desistir sair desse caminho agarro-me forte a esperanca de encontrar-me ainda em seguranca mesmo sem amor porém em liberdade.

54: A Beira Mar Contemplei o mar... Trocamos olhares e num impulso sedutor deixei-me naufragar. Envolveu-me em suas ondas, satisfez suas marés, fez-se em mim tempestade depois em ressaca, lanou-se na areia. Ali adormeci. Sem despedida, deixou lembrancas e, na vazante, silenciosamente se foi.

55: Doce Flagelo Nesse abandono, levo somente as chaves do tempo... No desejo dos sentimentos seus sobejos suplicados e nem das falácias ao vento. Nesse abandono, nem levo lenco. Tranquei as lágrimas da noite calada junto aos solucos que minha alma fez tremer naquele quarto pulsante onde se abrigou o breu. Nesse abandono, nem penso. Meu doce flagelo consiste em saber que tudo que partiu de mim ressecou num deserto escuro de palavras frias, que agora, eu, sem tempo apago a luz e vou...

56: Fora de Si Despiu-se dos sonhos... Descala, sentiu v sua esperanca Lavou a face, livrou-se daquele olhar sem horizonte... Perdeu-se... Silenciou o vento, calou as estrelas, cobriu os cabelos com rubro manto e no peito abafou desejos sem sentidos. Na incontida vontade de amar buscou no firmamento um ponto fixou-se inteira e partiu...

57: Sabor Amargo Derramou na alma o vinho amargo. Avinagrou sentimentos destemperou o sabor dos sonhos. Fez preferir a morte... Que degustar o desprezo no cálice da rejeicao, deixando na amargura o meu, tao ignorado, amor.

58: Minha Cancao Aprendi com as rosas, a cancao suave dos ventos tocada pela brisa leve em suas pétalas manhosas. Aprendi com as rosas, a dedilhar nas cordas do tempo, a cantarolar sussurros ao vento e desabrochar pro horizonte. Aprendi com as rosas, a perfumar melodias ao sol fazer ecoá-las do alvorecer ao arrebol nas nuances do arco íris. Aprendi com as rosas, a perfeita sintonia da poesia, a sonoridade que brada em cada verso, o prazer de compor a minha cancao .

59: Meu Amor O meu Amor... No é página de um livro esquecido no espaco escuro da solidao. É pleno na eternidade da alma é transcendente... Ele retine no tempo, reflete no horizonte de um olhar. É a essencia do ser e do existir, tem desejos de pertencer e paixao em se dar. Nao se contém em dimensoes, o céu, nao é seu limite. Ele é o próprio esplendor. ...Assim é o meu amor ...

60: Saudade Inspira Em certos momentos, quando descansamos "sombra da saudade" somos verdadeiros poetas... A inspiracao flui nas veias explode no coracao, fazendo a alma viajar sem fronteiras. Ganhamos céus colhemos estrelas a iluminar lembrancas. Mergulhamos fundo num mar de pensamentos com um único e ardente desejo de aliviar a saudade !

61: Cativa Do Meu Poetar Beijos os dedos de minha prosa, assim sem malícia no olhar... Sorvo de meu pensar a inspiracao, delíro em meus versos de paixao. Faco carícias em minha poesia arrepio-me as páginas tocando nas entrelinhas... Fizemos amor, minha poesia e eu... Em líricos lencóis bordados de estrelas, nas noites cheias de cirandas ao luar... É paixao que nao arrisco descrever, só sei que ela me leva a loucura e como me doma no consigo lutar sou cativa em meu poetar.

62: Introspectivo Olhar Abriu a porta da alma, na soleira reviveu momentos impregnados de emocoes e prazer. A saudade encheu o coracao trazendo um arrepio como sopro de luar... De seu ser adejaram sonhos de asas azuis e esperancas de folhas soltas num suspiro ancioso. Com um longínquo olhar, do seu horizonte, viu despontar o sol enquanto ela cheia de amor nun desejo incontido de tudo reviver se derretia num mar de saudade.

63: Lágrimas Transborda meu coracao no de amor nem de alegria sobra dor... O encanto se quebra tudo se perde minh"alma adoece... Dentro dele só o vazio... Um pulsar sem destino sem paz... Me sou incapaz de conter nele o que nele no quer morar. Só sinto o esmorecer o que dele sobrou... No quero pensar em acreditar que sinto tamanha dor... No posso estar nesse breu... Porque a luz partiu? No consigo ver, meu céu caiu o escuro da noite me tragou... a lua de mim fugiu e as estrelas no mar se afogaram.. Meu sol se apagou eu no tenho mais brilho... Tudo de mim se foi menos as lágrimas que me fazem companhia que me ajudam a lavar as feridas que abertas esto na alma...

64: Presente... ...Vivo o presente, em teus bracos renasco. Alegria rege esse momento por sentí-lo misturado a minha essencia. Faz-me desabrochar avidamente e no olhar, uma nova esperanca reluz. Na boca um goste de felicidade, na pele seu toque no é só lembranca. Em meus ouvidos, retinem cicio do nosso prazer. Vivo nosso presente, com desejo de amar-te eternamente.

65: Chave Mestra Acorrentada ao destino De maos atadas, deixo pegadas Que talvez o vento apague. Ouco arrastarem-se as correntes Com elas meus dias e noites sem sobrestar. Assim, mais uma vez, um dia de cada vez. O desejo de ir além me faz romper barreiras. Vou em busca da chave mestra.

66: Agradeco a companhia e espero que a essencia das Petalas D'Alma, tenha perfumado sua leitura.

67: *Por ter sido produzido num site em ingles, a letra C/cedilha e o acento til, no estao fomatados.

Sizes: mini|medium|large|massive
solange bretas
  • By: solange b.
  • Joined: over 6 years ago
  • Published Mixbooks: 1
  • Default User
    • By: Rose T.
    • Contributions: 0 photos , 0 pages
  • Default User

About This Mixbook

  • Title: Petalas da Alma
  • Minhas poesias são Petalas que deixo cair de minha alma.
  • Tags: happy, love
  • Published: over 6 years ago

Get up to 50% off
Your first order

Get up to 50% off
Your first order